Jucas e Chicos no mundo

Daniel Defoe, no prefácio de sua obra Moll Flanders, antecipa: “Através da imensa variedade deste livro, apegamo-nos estritamente a uma ideia básica: não incluir, em nenhuma parte, alguma ação...
Daniel Defoe, no prefácio de sua obra Moll Flanders, antecipa:
“Através da imensa variedade deste livro, apegamo-nos estritamente a uma ideia básica: não incluir, em nenhuma parte, alguma ação perversa que não dê origem a consequências infelizes; não pôr em cena um autêntico vilão sem que acabe mal ou seja levado a se arrepender; não mencionar qualquer ato criminoso sem condená-lo na própria narrativa. e nenhuma ação virtuosa e justa que deixe de receber o seu louvor”

Talvez, apesar das distinções existentes entre a obra de Defoe e de Wilhelm Busch, seja possível aproximar a ideia pertinente em ambos os casos, não deixar que um ato criminoso passe sem trazer consequências a quem o realizou. Talvez seja esse o princípio para se construir uma história a qual objetiva evidenciar uma moral existente.
E a moral do livro aqui em questão talvez não nos tivesse chegado se não fosse o nosso querido poeta parnasiano. Nunca havia passado em minha mente que Olavo Bilac poderia ser tão desenvolto em traduções. Na realidade, eu nunca havia lido nenhuma obra traduzida pelo príncipe dos poetas, até que chega em minha casa um livro colorido, que chama atenção, intitulado Juca e Chico, que mais tarde venho a saber que originalmente é conhecido como Max und Moritz, escrito por Wilhelm Busch, autor nascido no que hoje é a Alemanha. E em meio há tantos despautérios que vimos observando, ultimamente, este livro surge como uma possibilidade de ensinamento às crianças.

A história, obviamente, vai tratar de dois personagens, que ficamos a saber, logo na primeira travessura, como são suas personalidades. Malévolas, poderíamos resumir, mas ao mesmo tempo é uma personalidade que existe em milhões de crianças, e, até mesmo, adultos. São sete as histórias contadas em rimas que não deixam nada a desejar, fazendo jus ao nosso querido Bilac. A obra, muito bem traduzida, tem uma moral ao final, que dirá bastante sobre a importância deste livro voltado para as crianças.

Juca e Chico são apresentados pelo narrador da seguinte maneira:

Põem toda a gente maluca,
Não querem ouvir conselhos
Estes travessos fedelhos!

E o que se segue não é nada agradável, tendo em vista o politicamente correto, que anda vigorando em nossa sociedade. No início, das duas primeiras histórias, até cheguei a pensar que uma mãe lendo as primeiras páginas desistiria de comprar o livro para ler para os seus filhos, porém, como diz Rodrigo Lacerda, crítico responsável pelo prefácio do livro, “nunca aconteceu de eu ler esse livro para uma criança, menino ou menina, e ela não se interessar pelo fresco das rimas, pelo humor da história, pela agilidade da narrativa, e, sim, também pela moral”; portanto, é quase um ultimatum, deixando claro que não podemos desistir da leitura.

Juca-2Be-2BChico
As travessuras que são contadas, no total em sete, desde a morte de três galinhas e um galo, através de grãos de pão, perpassando por explosões e roubos, até a transformação dos dois meninos em algo inacreditável, faz termos em mente aquele velho provérbio cristão: “aqui se faz, aqui se paga”. Ficando um pouco evidente que a história possui influências cristãs. A própria moral do livro contribui para esse pensamento, quando os personagens falam sobre o que ocorre no final.

Assim, podemos voltar ao texto inicial de Defoe, quando acabar por recomendar a narrativa que ele cria:
“… O livro é recomendado: como obra em que cada uma das partes pode ensinar algo, e de que se podem extrair algumas justas e piedosas conclusões, por meio das quais o leitor se instruirá, se desejar aproveitar-se delas.”

Tendo eu uma tendência a separar obras que possam servir para a formação de meus filhos, aproveitarei, com certeza, o que encontro em Juca e Chico, pois ela é nada mais do que uma dessas histórias que é preciso conhecer e ter na ponta da língua para quando os nossos Jucas e Chicos nos pedirem para contar uma aventura intergaláctica ou qualquer coisa que remonte a um futuro ainda distante. E, ao final da noite, quando as travessuras se acabarem, e eles fecharem os olhos, poderemos ter “a paz afinal/ Mais nada. Ponto final!”.

Categorias
Literatura Infantil

Editor e criador do LiteraturaBr. É também editor da Revista, da Editora Substânsia e da Editora Moinhos. A literatura o salvou na adolescência, quinze anos depois ele ainda persiste no sonho.
Sem comentários

Deixe uma resposta

TOPBLOG
Saiba mais sobre o novo livro de Marco Severo, "Todo naufrágio é também um lugar de chegada".

ARTIGOS RELACIONADOS