Não era eu, mas só que era

por Marco Severo
retirado de https://goo.gl/15Lhcw

Tinha tudo pra ser um dia como outro qualquer.

Você acorda, daquele mesmo jeito entorpecido de sempre, ainda com o barulho do celular que te despertou no ouvido (já são seis horas, você pensa, resignadamente); vai ainda meio cambaleando pra cozinha, a gata se desvia do caminho (ela sabe que pode ser vítima do seu estado de letargia, afinal, já convive com você há três anos), você bebe água e volta pro quarto, onde vai se preparar para começar o seu dia normal de trabalho.

Está tudo dentro dos conformes, até no gesto de descer as escadas apressadamente, como se estivesse atrasado; com o saco de lixo na mão para depositar no local correto. Dirige-se ao carro pensando no pequeno problema que tem de reparar no mecânico, suspira ao lembrar-se do trânsito que tem pela frente, entra no carro, dá a partida e vai.

Lá pelas tantas, alguém dirigindo um carro de médio porte resolve sair de uma rua lateral e entrar na sua frente. Um motoqueiro se assusta com o veículo que se materializou de súbito, quase se jogando de encontro ao seu próprio carro. E você mesmo, se não freia, teria chocado violentamente no carro alheio.

É a partir daí que as coisas degringolam.

Você corta o carro, se posiciona na frente dele e não sai mais. A pessoa atrás de você dá um sinal de luz, e você permanece lá, parado. Dois segundos depois, faz gesto com a mão pela janela, como a dizer “passa por cima agora, seu…”. E em seguida, mostra aquele dedo. Os motoristas começam a buzinar. Você, ainda com ódio, bate por fora na porta do seu próprio carro. Sua intenção é assustar e intimidar o motorista que lhe causou tanta ira.

Em seguida, você, ainda fervendo, passa a primeira e sai dali, deixando um motorista estático  para trás.

Não se levando em conta as inúmeras possibilidades do que poderia ter acontecido a qualquer um dos envolvidos, desde “simples” agressão verbal até a morte de um ou todos os envolvidos, o que ocorre é que, muitas vezes, sem que a coerência seja chamada para a conversa, agimos de uma maneira que, passada a fúria, nos pegamos dizendo a nós mesmos: eu não sou essa pessoa.

A explicação faz sentido: ninguém quer levar fama de ser truculento, grosseiro ou violento. A questão é o auto-engano contido na assertiva. Dizer que você não se reconhece na atitude, que não costuma agir de tal e tal maneira, vá lá. Mas dizer que não é você… sinto muito, mas é. Não tenha dúvidas: é você, completamente você.

Provavelmente um você que precisa ser contido, domesticado, trabalhado. Afinal, não se convive em sociedade com esse tipo de atitude. Pelo menos não se elas vierem com frequência, e numa escala crescente que leve aqueles que nos amam a questionar quem realmente somos.

A questão toda está no fato de que somos aquilo ali também. E sim, há coisas em nós que precisam ser revistas. E se um dos sentidos de estarmos aqui não for evoluirmos, então somos mesmo uma bela escarrada de Deus, algo em que me recuso a acreditar. Não por motivos religiosos, mas pelo simples fato de que não é algo que eu sinta, ao caminhar pela vida.

Podemos ser muito mais coisas do que pensamos ou acreditamos; algumas dessas coisas talvez até nos fizessem mais felizes do que somos hoje (quem sabe?). Muitas vezes, o medo arraigado de estar transgredindo algo nos torna estáticos. E o fato é: o medo de transgredir muitas vezes impede a transcendência.

Se você não estiver fazendo algo que magoe alguém, que destrua laços ou aniquile alguém irremediavelmente, dê o passo seguinte. Qualquer que seja o resultado, sempre será você, ao fim e ao cabo. Só há o que temer quando não buscamos mudar. A estagnação é o que nos mumifica em vida, o que nos impede de nos tornarmos pessoas melhores, se não para outros, para nós mesmos.

Não importa o que a gente descobrire que existe dentro dos nossos lugares mais escuros. É essa pluralidade que nos move, o que faz as sociedades irem adiante (embora nem sempre pra frente). E, se em toda uma vida, mal começamos a descobrir um mínimo que seja de nós mesmos, é bom que se entenda: quanto menos ínfima for nossa contribuição para o mundo, é porque maior foi nossa transgressão diante das amarras que a vida nos impõe. Medo de se soltar dos grilhões? Todos temos. Mas nos libertar deles já é parte do processo. Sem culpa, como deve ser qualquer ato mínimo em direção ao desconhecido que nos liberta. Sempre.

Categorias
Pensamentos imperfeitos

Perfil adminstrativo.
Sem comentários

Deixe uma resposta

TOPBLOG

ARTIGOS RELACIONADOS