A poesia de Allan Jones

por Demetrios Galvão
retirado de https://goo.gl/XamXjP

Allan Jonnes é um poeta e performer brasileiro, nascido na cidade de Lagarto, Sergipe, em 1990. Venceu em maio de 2013 o ZAP Slam edição especial com poetas do Brasil, onde foi convidado a participar do projeto “Autores em cena”, que aconteceu dentro da Balada Literária (SP), sendo dirigido pelo grupo Bartolomeu de Depoimentos em performance de récita eletrônica. Publicou o livreto Pequeno Volume em 2016.

 

O PROBLEMA DOS CASAIS

Há certas teorias da linguagem
para defender que os animais sem idioma

não poderão nunca pretender qualquer tipo
de progresso em suas relações

dadas suas incapacidades para acessar pela língua
a categoria futuro.

E sendo assim a palavra esperança por exemplo
não faz nenhum sentido aos cachorros.

Disto infere-se que os animais sem idioma
São mais ideais para o namoro

Dado que o defeito dos casais na raça sapiens
é justíssimo esta aptidão

de acessar para frente e para trás
com o apoio da gramática.

Pelo menos nos adultos

 

*

 

OS VISITANTES

Um território desenhado no mundo
Ao que chamamos praça.
Ao que chamamos praça K para distingui-la
De outras praças.
Não fizéssemos isso demoraríamos muito
Em sua travessia.
Os visitantes são aqueles que perderam a velocidade.
Um homem parou pela primeira vez
para colocar a visão sobre uma coisa
e fundou duas categorias: a visita e a pausa.
Isto é para tudo.
Para o mapa de uma cidade
são inversamente proporcionais um visitante
e um funcionário dos correios.
Se houvesse uma corrida está óbvio o campeão.

 

*
DA UTILIDADE PÚBLICA
o senhor Cláudio Pereira
negociante de algodão doce e bexiga
de oxigênio para crianças parou
outro dia a sua bicicleta monark modelo circular
próximo dos arcos da orla
e manifestou a maior indignação da própria vida

não vendi nada até agora mas eu só queria mesmo é que um dia
saísse em qualquer jornal nem precisa ser de televisão
que o pessoal que faz algodão doce não coloca a boca na sacola
para encher essa desgraça de assopro ou de cuspe até que depois
a gente amarra tudo ali com baba e bactéria

nesse mesmo momento Pereira pegou uma
sacola de algodão ao vivo
prendeu cada ponta com dois dedos e girou
girou até encher o saco e depois deu um nó
sendo eu a sua testemunha
que de fato a boca não encosta

Categorias
Poesia

Perfil adminstrativo.
Sem comentários

Deixe uma resposta

TOPBLOG
Saiba mais sobre o novo livro de Marco Severo, "Todo naufrágio é também um lugar de chegada".

ARTIGOS RELACIONADOS