Tarde – Leitura poética de “Tristeza no céu”, de Carlos Drummond de Andrade

por Nathan Matos

A tristeza há de acompanhar a humanidade, sempre. Há de acompanhar os animais, a natureza, e há de acompanhar também os deuses. A existência, ‘sem explicação’, permanece. Mas o que vem do alto, o que nos atinge, levando a alma a desabar, levando a cada um de nós a cair no abismo dentro de si, como diria um poeta português, sempre, também, nos atingirá.

É essa vontade precisa que me atinge, vez por outra, assim como a você, que observo nas palavras de Drummond.

Foi preciso ver as serras ao longe para te escutar, à tarde ou a qualquer momento do dia.

 


[Tristeza no céu]

No céu também há uma hora melancólica.
Hora difícil, em que a dúvida penetra as almas.
Porque fiz o mundo? Deus se pergunta
e se responde: Não sei.

Os anjos olham-no com reprovação,
e plumas caem.Todas as hipóteses: a graça, a eternidade, o amor
caem, são plumas.

Outra pluma, o céu se desfaz.
Tão manso, nenhum fragor denuncia
o momento entre tudo e nada,
ou seja, a tristeza de Deus.

Categorias
Tarde

Editor e criador do LiteraturaBr. É também editor da Revista, da Editora Substânsia e da Editora Moinhos. A literatura o salvou na adolescência, quinze anos depois ele ainda persiste no sonho.
Sem comentários

Deixe uma resposta

TOPBLOG
Saiba mais sobre o novo livro de Marco Severo, "Todo naufrágio é também um lugar de chegada".

ARTIGOS RELACIONADOS