Perfil Poesia Brasileira, Helena Kolody: “Somos ilhas no mar desconhecido”

A mãe dos haicais no Brasil exalava o seu "perfume de poesia" com toda a sua sensibilidade.

“Pintou estrelas no muro

e teve o céu

ao alcance das mãos.”

(Helena Kolody)

 

10644841_787507131301111_7362346520011780615_n

Para começo de texto: SIM! Helena Kolody é brasileira

Filha de ucranianos e tendo sua obra publicada na língua nativa dos pais, a autora tem sua nacionalidade – muitas vezes – confundida. Apesar de ter tido, desde sua estreia, grande espaço no âmbito estadual e nacional da literatura ela, paranaense de Cruz Machado, continua pouco conhecida do público, levando em conta sua relevância para o campo da poesia.

Helena Kolody, nos anos 40, foi a pioneira no Brasil a publicar haicais. Apesar de vários poetas brasileiros utilizarem a forma, nenhuma mulher havia feito o mesmo até Helena Kolody. Fruto da paixão por haicais, a amizade entre ela e Paulo Leminski floresceu de forma imediata ao se descobrirem vizinhos de apartamento. Helena referia-se ao jovem Paulo como “o verdadeiro haikaísta” e Paulo correspondia essa admiração ao chamá-la de “Padroeira da Poesia”. O vínculo com o haicai deu a ela o título de “Reika” pela Sociedade Japonesa em 1993, que significa “perfume de poesia”. A mãe dos haicais no Brasil exalava o seu “perfume de poesia” com toda a sua sensibilidade.

A convivência em meio à cultura ucraniana – compartilhando costumes, língua e ensinamentos – fez com que Helena se sentisse desconexa em parte de sua vida, trazendo uma estranheza incomum em relação a sua identidade. Tal evento fez com que os temas de migração e exílio surgissem em sua obra (“Ensimesmados/ olham a vida / como exilados/ fitando o mar”). A palavra “raízes” é bastante encontrada nos trabalhos da poeta, a dupla nacionalidade de sua alma impulsionou-a a publicar livros no idioma natal de sua família, o ucraniano. Além disso, ainda falando em “familiaridade”, outro tema recorrente na poesia de Helena é a infância, da qual se lembra com uma grande saudade desse tempo que passou tão rápido.

O efêmero, a memória, os desejos, os sonhos, os reflexos e até a religiosidade são partes facilmente encontradas na obra kolodiana, que é carregada de imagens e símbolos, captando com muito bem a atenção do leitor. O religioso nos poemas trazem à tona a ideia de existência, vida e morte (“Concede-me, Senhor, a graça de ser boa”). O amor também é indispensável e carrega uma densidade muito alta para Helena, afundando nas profundezas líquidas extremamente leves do ser humano.

Falecida em 2004, completaria 100 anos em 2012. Por seu centenário, sua obra ganhou maior alcance nos últimos anos. Helena nasceu no dia 12 de outubro e deixou grandes livros de poesia para engrandecer a literatura brasileira. A dona de olhos de um azul extremo conquistou, além do carinho de Leminski e outros grandes nomes, a admiração de Carlos Drummond de Andrade por ter uma obra muito ímpar. Sempre ligada às artes, estudou piano e pintura ainda pequena. Mas a grande paixão de Helena, além da poesia, dizia respeito ao magistério. Apesar de trabalhar a poesia desde muito cedo, só se lançou firme no campo literário em 1941, com o livro Paisagem Interior. Sobre sua relação com a poesia, escreveu em Sinfonia da Vida a seguinte declaração:

folha-3

“No alvorecer da adolescência, que é como um novo nascer, senti necessidade de fazer versos, mesmo sem saber fazê-los. Nunca os mostrei a ninguém. Mais tarde, destruí-os, o que hoje lamento. Nos primeiros livros, os poemas eram mais espontâneos, mais descritivos, com vivas tonalidades emocionais. Até hoje, é a poesia dessa fase que mais agrada ao leitor, que com ela facilmente se identifica.”

POEMAS

GRAFITE

Meu nome,

desenho a giz

no muro de tempo.

Choveu,

sumiu.

ALEGRIA DE VIVER

Amo a vida.

Fascina-me o mistério de existir.

Quero viver a magia

de cada instante,

embriagar-me de alegria.

Que importa a nuvem no horizonte,

chuva de amanhã?

Hoje o sol inunda o meu dia.

SONHAR

Sonhar é transportar-se em asas de ouro e aço

Aos páramos azuis da luz e da harmonia;

É ambicionar o céu; é dominar o espaço

Num vôo poderoso e audaz da fantasia.

Fugir ao mundo vil, tão vil que, sem cansaço,

Engana, e menospreza, e zomba, e calunia;

Encastelar-se, enfim, no deslumbrante Paço

De um sonho puro e bom, de paz e de alegria.

É ver no lago um mar, nas nuvens um castelo,

Na luz de um pirilampo um sol pequeno e belo;

É alçar constantemente o olhar ao céu profundo.

Sonhar é ter um grande ideal na inglória lida:

Tão grande que não cabe inteiro nesta vida,

Tão puro que não vive em plagas deste mundo.

MIGRANTES

em cinquenta e cinco

chegamos à ferroviária

as malas e os filhos

ante o súbito pinheiro

primeiro pasmo do exílio

SEM AVISO

Sem aviso,

o vento vira

uma página da vida

VOZ DA NOITE

O sol se apaga.

De mansinho,

a sombra cresce.

A voz da noite,

diz baixinho:

esquece… esquece…

MERGULHO

Almejo mergulhar

na solidão e no silêncio,

para encontrar-me

e despojar-me de mim,

até que a Eterna Presença

seja a minha plenitude.

IDENTIFICAÇÃO

Eu me diluí na alma imprecisa das coisas.

Rolei com a Terra pela órbita do infinito,

Jorrei das nuvens com a torrente das chuvas

E percorri o espaço no sopro do vento;

Marulhei na corrente inquietadora dos rios,

Penetrei a mudez milenária das montanhas;

Desci ao vácuo silencioso dos abismos;

Circulei na seiva das plantas,

Ardi no olhar das feras,

Palpitei nas asas das pombas;

Fui sublime n’alma do homem bom

E desprezível no coração do mesquinho;

Inebriei-me da alegria do venturoso;

E deslizei dolorosamente na lágrima do infeliz.

Nada encontrei mais doloroso,

Mais eloquente,

Mais glorioso

Do que a tragédia cotidiana

Escrita em cada vida humana.

FIO D’ÁGUA

Não quero ser o grande rio caudaloso

Que figura nos mapas.

Quero ser o cristalino fio d’água

Que canta e murmura na mata silenciosa.

 
Categorias
Perfil

Uma alma composta, que carrega diversas reencarnações de personagens da literatura. Estudante de Jornalismo, colaboradora do LiteraturaBr e do Jardim Elétrico. Paulistana de origem e multibrasileira de paixões.
Um comentário

Deixe uma resposta

  • Deivity Kássio
    16 maio 2016 at 11:23 am
  • TOPBLOG
    Saiba mais sobre o novo livro de Marco Severo, "Todo naufrágio é também um lugar de chegada".

    ARTIGOS RELACIONADOS